Afinal o "Post it" vai continuar por mais uns tempos …

The world is made up of stories, not atoms, Muriel Rukeyser

 

E pensavam vocês que eu ia deixar de postar por estes lados.

Por acaso a ideia até me passou pela cabeça mas nos últimos tempos tenho andado a fazer coisas que até se podem considerar interessantes para serem partilhadas convosco.

Falo-vos da redescoberta de “antigas paixões” tais como a natação e o yoga e de uma panóplia de coisas bastante divertidas que espero vir a fazer nos próximos tempos como forma de escape ao dia PPD (subentenda-se Provas Públicas de Doutoramento) que se está a aproximar…

Por exemplo, hoje pelas 15h estive na Fábrica de Ciência de Aveiro, a arte é o tema da palestra “Matemática e Pintura”, por Lucía Fernández-Suárez (Universidade do Minho) na qual retirei algumas notas interessantes que a seu tempo vou começar a disseminar por estes lados.

Fico à espera de novidades vossas.

 

PS: Todos estes posts podem ser acompanhadas de modo contínuo no meu perfil do facebook.

Nelson José Rodrigues Faustino's Facebook profile

The British Dream

 

 

Como todos já devem saber, irei no próximo mês defender a minha Tese de Doutoramento e escusado será dizer que estão desde já convidados. No entanto penso que ainda não vos tinha falado muito sobre aquilo a que se pode chamar The British Dream.

Ora bem: Após a minha visita científica à Universidade de Leeds em Março 2008, a ideia de fazer um Post-Doc no Reino Unido começou a ganhar contornos muito por culpa do senhor Vladimir V. Kisil (por acaso ele vai ser um dos arguentes da minha defesa) que me desafiou a uma mudança radical de ares (de Aveiro para Leeds ) e de área (mudar da Matemática Aplicada para a Matemática Pura ).

A preparação do plano de trabalhos começou a ser elaborada durante o verão passado e submetida ao Engineering and Physical Sciences Research Council durante o mês de Setembro. Mais informações sobre o concurso podem ser encontradas no link http://www.epsrc.ac.uk/CMSWeb/Downloads/Calls/PostdoctoralFellowshipsCall2008.pdf

À dias recebi as primeiras avaliações do painel que me dão razões mais que suficientes para festejar, não por ter sido aceite (o processo de selecção ainda está a decorrer) mas pelo feedback positivo.
Convém salientar estão pelo menos 7 bolsas em jogo em Ciências Matemáticas (leia-se na página 1 do link Postdoctoral Fellowships in Mathematical Sciences At least seven Fellowships will be awarded to candidates who can demonstrate excellence and originality in research within the remit of Mathematical Sciences), coisa pouca comparando ao número de Bolsas que a FCT (a minha antiga bolsa) costuma atribuir todos os anos na área da Matemática.

Se tudo correr bem, por volta do mês de Março irei a uma entrevista a Inglaterra para a selecção final com viagem e estadia pagas pelo Research Council. Os mais optimistas vão com certeza dar-me os parabéns ao par que os pessimistas irão chamar-me de convencido e dizer que ando a sonhar alto demais.

Independentemente do vosso feedback, permitam que vos diga desde já o seguinte:

Já foi muito bom ter chegado até aqui e mesmo que não venha a ganhar a bolsa, a avaliação por si dá motivos mais que suficientes para não desistir desta vidinha.

Moral da História: O sucesso e o fracasso são duas faces da mesma moeda.

 

PS: Brevemente este espaço vai ser “encerrado”.  Mudanças serão anunciadas para breve.

Quotation

$ latex
\begin{center}
{\it I have practically never started off with any idea of what I’m
going to be doing or where it’s going to go. I’m interested in mathematics; I talk, I
learn, I discuss and then interesting questions simply emerge. I have never started off
with a particular goal, except the goal of understanding mathematics.}
\end{center}
\begin{flushright}
{ Sir Michael Atiyah}
\end{flushright}
$

Artigo sobre Jean Michel Jarre: A aparecer brevemente no diário de Aveiro

Hoje neste blog gostaria de fazer um pequeno parêntesis para fazer a minha vénia a um dos meus amigos de armas, Rui Monteiro, que vai só no dia 27 de Abril fotografar o senhor Jean Michel Jarre, um dos seus grandes ícones da adolescência.

Soube que para além de ir ser o fotógrafo de serviço para o Diário de Aveiro, ele anda a contribuir para o editorial do jornal com artigos alusivos ao espectáculo que irá decorrer no Coliseu do Porto. O artigo escrito abaixo irá ser publicado brevemente.

Jean-Michel o filho do famoso compositor de bandas sonoras Maurice
Jarre começou em 1968 as primeiras experiências com loops de fitas
magnéticas, em 1969 juntou-se ao Groupe de Recherche Musicale (GRM),
sobre a direcção de f Pierre Schaeffer ( o pai da música concreta e o
primeiro a juntar samples sonoros com música ).
O seu primeiro disco data de 1970, La Cage/Erosmachine, mas só em 1976
obteve exito internacional com Oxygene. Considerado por muitos o
pioneiro na música electrónica, bem como um “quebra-recordes” de
espectáculos ao ar livre nos quais inclui efeitos laser, de
pirotecnia, conjugando imagens projectadas com a arquitectura
existente no local do espectáculo, juntando a isso os efeitos surround
dos seus temas.  Jarre vendeu aproximadamente 80 milhões de álbuns e
singles ao longo da sua carreira (desde 1971) e bateu 4 recordes no
Guinness World Records Book. O seu nome artístico era Jean-Michel
Jarre, mas em 1991, Jarre decidiu tirar o hífen, ficando assim: Jean
Michel Jarre.
Em 2007 lançou um Master Recording do Oxygene, regravou com o máximo
que a tecnologia actual dispõe tanto em cd como em DVD. No cd vem um
DVD extra com o som gravado com um vídeo e com a versão ao vivo do
mesmo de nome “Living in you Room”.
Jean Michel finalmente vem a Portugal mas propõe-nos um concerto
completamente diferente do que nos habitou, em vez de grande
espectáculos visuais propõe-nos um concerto intimista numa sala
fechada rodeado dos seus rolls-royce’s da música electrónica (moog’s e
afins ). Sendo o concerto igual ao mesmo que vem no DVD “Living in
your Room”, será de certo uma experiência para ouvir, apreciar a não
perder.

Rui Monteiro

PS: Man! És Grande!

A Geometria da Música

    Descobri à pouco em http://music.princeton.edu/~dmitri/ uma boa motivação para estudar Matemática ao mesmo tempo que se ouve (boa) música.

Entre as várias ofertas que se podem encontrar no site do senhor Dmitri Tymoczko, existe a possibilidade assistir a uma orquestra de Chopin no círculo/disco, na fita de Moebius ou no espaço tetra-dimensional; os mais rebeldes podem sempre assistir a uma actuação dos Deep Purple na fita de Moebius.

O regresso a casa ao som de "Valerie" entre outras coisas!

Com alguns de vós se devem ter apercebido, já regressei a casa (no Sábado). Quanto ao meu regresso, pode-se dizer que foi tranquilo a menos de uns atrasos nos comboios (mesmo nada Inglês :-P). A minha chegada deu-se por volta das 21h ao aeroporto Sá Carneiro. É de louvar o sacrifício que os meus pais, ao fazerem mais de 300km para me vir buscar ao Porto (isto porque eles vieram directos de Lisboa).

Quanto ao meu Domingo: Para além de ter dormido até às 13h, tive ainda tempo para ir visitar a FITEC na Expo Salão na Batalha. No regresso passei por Alcobaça para matar saudades. A desculpa arranjada foi simplesmente ir lanchar num lugar próximo do Mosteiro.

O que vos posso dizer do lanche? Foi bom … docinho, mas melhor que isso foi contemplar o pôr do sol em frente ao Mosteiro ao som de “Valerie” de Amy Winehouse que tocava num bar próximo.

Para assinalar o momento, mais um vídeo parvo devidamente documentado pela voz da minha manuska.

 

Quanto às aventuras, desventuras e notícias sumarentas sobre a minha estadia em Leeds: Vou fazer um esforço para postar no início da próxima semana um texto a relatar o dia da viagem, pois de momento encontro-me a preparar dois seminários que irei dar em Aveiro nos dias 28 de Março e 4 de Abril (6ªs feiras). Para os curiosos, estes são os títulos dos seminários:

28 de Março 2008:
Rediscovering discrete function theory: Clifford-like algebras and lattice
structure


4 de Abril 2008  :
Rediscovering discrete function theory: Umbral Clifford calculus,
discretization and quantum mechanics on a lattice

Para os ainda mais curiosos, uma primeira amostra daquilo que irei falar

 Leeds

Agora com a vossa licença, vou voltar à carga. Mas antes de o fazer vou deixar este lugar devidamente sinalizado de forma a prevenir eventuais acidentes de trabalho.

 DSCF2767

Amanhã estarei de volta

Ora viva a todos. Amanhã já estarei de volta à nossa pátria mãe e cheio de histórias para contar, pois infelizmente não tenho tido grande predesposição para escrever sobre a minha aventura em Leeds.

DSCF2715

No entanto tenho anotado tudo no meu bloco de notas para ir publicando por estes lados aos pouquinhos…

Quanto à experiência em si, posso-vos dizer que adorei a atmosfera que se vive nesta Universidade e mesmo estando ansioso por estar próximo das pessoas que mais gosto e amo, vou ficar com saudades disto pois aqui as condições para trabalhar são acima da média e porque aqui há coisas que eu venero como o facto da oferta em termos de lazer! (Um bocadinho elitista, mas adiante!)

Só para terem uma pequena ideia, no dia em que cheguei, os Korn estavam a actuar.

No momento em que estou a escrever isto, estão a actuar os Panic! At the Disco. Acham-me isto normal?

Para terminar, mais dois momentos para vos fazer inveja:

Ensaio dos Panic! At the Disco (quando eu fui jantar ao refeitório)

Fila de pessoas que passava o quarteirão (quando eu vinha para Universidade para aceder à net)

Até para a semana!

Notícias breves

image0079Olá amigos. Só passei por aqui para dizer que já dei a minha palestra, o que significa que parte do dever já está cumprido.

Aproveito desde já para dizer que já comprei postais para enviar a alguns de vós. No entanto só devo fazer amanhã quando passar pelos correios. Fiquem descansados pois irão receber um em breve.

Quanto a novidades sumarentas. Há muitas, mas mesmo muitas para contar. Só para terem uma ideia, vejam como os quadros brancos por estes lados são sumarentos:

DSCF2674

Reparem bem no pormenor: No quadro da esquerda têm um anúncio dos seminários de hoje(o anúncio da minha estava escrito a verde) enquanto no quadro da direita, uma(s) alma(s) caridosa(s) decidiu(ram) divulgar uma festarola que vai decorrer amanhã na 5ª feira.

Fiquem por isso a aguardar, pois está mesmo, mas mesmo para breve novidades fresquinhas (e enlatas) por estes lados.

Cheguei bem!

Ola a todos

A viagem do Porto ate Leeds correu dentro da normalidade e j’a estive (e ainda me encontro) na School of Mathematics da Universidade de Leeds todo o dia.

Uma vez que estou extremamente cansado e acima de tudo, atarefado, vou apenas postar por estes lados o relato sobre o dia da viagem l’a para 4a. ou 5a. feira.

Para os mais curiosos, apenas vos posso dizer que irei falar sobre

  • Murc~oes
  • Maquiagem
  • Noruegueses
  • Adaptadores de correntes
  • Korn

At’e breve!

Playlist viagem 02/03/2008

Já faltam poucas horas para começar uma nova aventura . Como já foi anunciado, desta vez vou estar durante 14 dias em Leeds a convite do professor Doutor Vladimir Kisil.

Numa viagem que promete ser longa e solitária, nada melhor que ir munido do meu MP3.  Desde já o meu obrigado à minha colega de profissão e danças, Sofia, por ter contribuído de forma despretensiosa com algumas capas:




Convido-vos a irem visitando este estaminé nos próximos dias e sempre que acharem pretinente tomem a liberdade de comentar os posts, nem que seja para perguntar curiosidades sobre o lugar onde vou estar. Prometo que irei responder a todos os vossos comentários!

Agora com a vossa licença, vou nanar pois o dia de amanhã promete ser longo.

0.999…=1?

No Wikipédia encontrei uma entrada entitulada 0.999… 
O artigo é muito bom, e inclui pelo menos várias ideias de como se provar que 0.999… = 1. Além disso, contém algumas curiosidades históricas.
A página dos comentários e as argumentações são bastante interessantes e diversificadas; Podemos constatar que existem pessoas que não entendem porque isto é verdade, mas não querem realmente entender o porquê.

Há coisas deprimentes, não há?

Parabéns Amy!

Amy Winehouse é nº1 em Portugal : “Back to Black” subiu de 9º para 1º lugar

 


Amy Winehouse está esta semana no primeiro lugar do top nacional de vendas. A cantora britânica saltou do nono lugar para o topo da tabela com o álbum “Back to Black”, deixando para segundo as “Just Girls”. A edição dos 25 anos de “Thriller” de Michael Jackson está em terceiro lugar. Alicia Keys está quarto com “As I Am”, seguida de Jack Johnson, que ocupa o 5 lugar com o novo “Sleep Through the Static”.

In site antena 3

Amy! Amy! I luv u!

PS: 3 dos meus CD’s favoritos estão no TOP 5. LOL!

Insólitos "Notícias"

No Jornal Público de hoje pode-se encontrar a seguinte notícia:

Inspectora da PJ acusa Valentim Loureiro de a ter abordado para tirar satisfações

Até aqui tudo bem. Todos nós sabemos que Valentim Loureiro é um murcão. No entanto não deve ser o único como podem ler na caixa de comentários, entre os quais destaco estes:

Comentário 20.02.2008 – 13h18 – Jorge Maio Costa, Póvoa de Lanhoso

Acho mal deixarem à solta os drogados e vêm para aqui acusar majores, pessoas de bem, com estudos, que fazem o país andar para a frente. O País, o futebol e gondomar devem muito a este senhor, pessoa séria como militar que é. Não há indícios entao não podem haver condenações. Força sr.Major.

Comentário 20.02.2008 – 15h00 – Joao Batista, litoral alentejano

Este ,Jorge M Costa devia de fazer parte dos Gatos Fedorentos ou então escrever textos para eles, tem humor isto só pode se tratar de uma ironia

Para terminar, a frase do dia:

“Levar a sério o que diz um político reduz o esperma e pode causar infertilidade e, havendo coerência legislativa, a lei do tabaco deveria aplicar-se às declarações políticas, que só poderiam ser proferidas ao ar livre ou em sítios com adequada extracção de ar e de credulidade.”

Manuel António Pina, “Jornal de Notícias”, 20 de Fevereiro de 2008

Ao que parece, está encontrada a causa de Portugal ter uma baixa taxa de natalidade.

A foto mais cómica que alguma vez tirei!

Quem me conhece, sabe que tenho um fascínio especial pela fotografia pois é uma forma de eternizar situações do dia-a-dia que fugazmente se apagam da minha memória. A razão da existência deste blog deve-se em parte à necessidade que tenho de partilhar as minhas fotos com amigos e colegas.

Esta foto, foi tirada num baptizado há uns meses atrás quando o filho da minha prima, sentado ao meu lado, decide sair-se com mais uma das suas traquinices.

Sim, sim. A foto foi premeditada! Ele é que pediu que o fotografasse ao que eu respondi afirmativo.

Antes que começem por elogiar o fotógrafo, aviso-vos desde já que a genialidade desta foto depende em grande parte do modelo fotográfico.

tiago

SHREK EXISTIU!!!

 

Shrek existiu. E falava 14 idiomas.

O personagem de desenho animado que é sucesso em todo mundo foi criado a partir de uma máscara mortuária do francês Maurice Tillet. Poeta e actor, Tillet nasceu em 1903. Muito inteligente, falava 14 idiomas. Na adolescência, contraiu uma doença rara, chamada acromegalia , que causa a desfiguração de partes do corpo. A transformação para um quase ‘monstro’ não o abateu. Ele emigrou para os Estados Unidos e converteu-se num profissional da Luta livre, com o nome de ‘Assustador ogro do ringue’.

Lutou até quando pôde. Morreu em 1954, aos 51 anos, de um ataque cardíaco. Pouco antes, o seu parceiro de partidas de xadrez, Bobby Managain, pediu para fazer um lifecast (máscara mortuária) dele.

Tillet concordou e Bobby fez cópias em gesso da cabeça do amigo. Uma delas foi para o Museu iternacional da Luta Livre, em Iowa. A outra foi parar no Hall of Fame do YorkBarbell Building para mostrar os

primórdios das formas da luta livre moderna e do halterofilismo. Foi esta réplica que serviu de modelo para a construção de Shrek.

E esta heinnnnnn???

image001

 

image002

 

image003

 

image004

 

image005

De 1977 para a eternidade

 

Quando veio a era das discotecas, o som que predominava era o soul da Philadelphia, com muita orquestração, aura de sofisticação, vocais emotivos e uma atmosfera bem terrena de festa com champanhe e ternos de lapelas gigantes. O homem que mudou tudo isso e introduziu a “viagem” no Disco, a exuberância cósmica, o glamour espacial e futurista, tornou a música de dança num exercício mental, foi Giorgio Moroder.
A bordo de trocentos sintetizadores (provavelmente naquela época cada um servia para um tipo específico de som), Moroder lançou raios phaser, robôs cantantes, modulações estonteantes, grooves sintéticos irresistíveis e teclados que alçam vôos à estratosfera para beijar o céu. Enquanto isso, corais celestiais planavam entrelaçados nos arranjos. Sem falar que foi ele, ele mesmo, que inventou o famoso stunk-stunk-stunk isto é, o bumbo bem marcado nos quatro tempos do compasso que virou padrão na música dança.
Os seus trabalhos mais conhecidos são as produções para Donna Summer, sucessos como “Love to Love You Baby” e “I Feel Love“. Mas ele também fez muita coisa solo e desse catálogo nada supera, em inovação, musicalidade e brilho, no álbum de 1977. Este disco aqui é não foi só a manjedoura da space disco; Foi também a primeira pedra para o surgimento da euro-disco, do techno, da house e do trance
De 1977 para a eternidade, Giorgio Moroder:

 

Assino por baixo!

Em cada 100 euros que o patrão paga pela minha força de trabalho, o Estado, e muito bem, tira-me 20 euros para o IRS e 11 euros para a Segurança Social.
O meu patrão, por cada 100 euros que paga pela minha força de trabalho, é obrigado a dar ao Estado, e muito bem, mais 23,75 euros para a Segurança Social.
E por cada 100 euros de lucro que eu dê ao meu patrão, o Estado, e muito bem, retira 33 euros.
Cada vez que eu, no supermercado, gasto os 69 euros que me sobraram dos 100 que o meu patrão me pagou, o Estado, e muito bem, fica com 14,49 euros para si.
Em resumo:
– Cada vez que eu ganho 100 euros, o Estado recebe 56,75 euros.
– Quando gasto o dinheiro remanescente o Estado cobra mais 14,49.
Ou seja, por cada 100 euros que por mim passam o Estado recebe 71,24 euros.
Sem esquecer que quando lucro 100 euros, o Estado enriquece mais 33 euros.
– Quando compro um carro ou uma casa, quando herdo um quadro, quando registo os meus negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.
Eu pago e acho muito bem, portanto exijo:
» Um sistema de Ensino que garanta cultura, civismo e futuro emprego para os meus filhos.
» Serviços de Saúde exemplares.
» Um hospital bem equipado a menos de 20 km da minha casa.
» Estradas largas, sem buracos e bem sinalizadas em todo o país.
» Auto-estradas sem portagens.
» Pontes que não caiam.
» Tribunais com capacidade para decidir processos em menos de um ano.
» Uma máquina fiscal que cobre igualitariamente os impostos.
Eu pago, e por isso quero ter, quando lá chegar:
a reforma garantida e jardins públicos e espaços verdes bem tratados e seguros.
Polícia eficiente e equipada.
Os monumentos do meu País bem conservados e abertos ao público.
Uma orquestra sinfónica.
Filmes criados em Portugal.
E, no mínimo, que não haja um único caso de fome e miséria nesta terra.
Portanto, Sr.Primeiro-Ministro, governe-se com o dinheirinho que lhe dou porque eu quero e tenho direito a tudo isto.
Um português contribuinte.
Meus amigos… Este é seguramente um mail que todos temos a obrigação de passar!
E se alguém conseguir fazer chegar isto ao conjunto que costuma estar no parlamento, quer no governo quer na oposição, por favor faça-o.

Olhos azuis: Um antepassado comum

myEyes 

 

Uma equipa de investigadores da Universidade de Copenhaga descobriu que todas as pessoas com olhos azuis partilham um único antepassado comum, que sofreu uma alteração genética há 6.000-10.000 anos atrás.
De acordo com o professor Eiberg do Departamento de Medicina Celular e Molecular, originalmente todos tínhamos olhos castanhos.
No entanto, uma «mutação genética no gene OCA2 do nosso cromossoma resultou na criação de um “interruptor”, que literalmente “desligou” a capacidade de produzir olhos castanhos».
O gene OCA2 codifica a proteína P, que produz a melanina – o pigmento responsável pela coloração dos pêlos, olhos e pele dos seres humanos.
Esse “interruptor” situa-se num gene adjacente ao OCA2 e não “desliga” totalmente o gene, mas limita a sua acção a reduzir a produção de melanina na íris.
Isto resulta na “diluição” dos olhos castanhos para azuis.
Se o gene OCA2 fosse destruído ou deixasse de funcionar o resultado seria o albinismo – a falta de pigmentação nos olhos, pêlos e pele.
A variação da cor dos olhos castanhos a verdes pode ser explicada pela quantidade de melanina na íris, mas esta variação é muito pequena nas pessoas de olhos azuis.
«A partir disto podemos concluir que todos os indivíduos de olhos azuis estão ligados ao mesmo antepassado», explica Eiberg.
«Todos eles herdaram o mesmo interruptor exactamente do mesmo local no seu ADN», acrescenta.
Eiberg identificou pela primeira vez o gene OCA2 como sendo responsável pela cor dos olhos em 1996, quando iniciou a sua pesquisa.
O cientista e a sua equipa examinaram o ADN mitocondrial e compararam a cor dos olhos de indivíduos de olhos azuis de países como a Jordânia, Dinamarca e Turquia.

Ciberia.pt

Trocadalhos Público(s)

Por estes dias o Jornal Público está a celebrar a chegada à maioridade (18 aninhos).

O desafio que o jornal lança aos seus leitores é o seguinte inquérito para tentar perceber o que mudou nas suas vidas de há 18 anos para cá. Como poderão reparar, a lista é bastante abrangente e contém opções bastante interessantes. Da lista que é apresentada, gostaria de destacar as opções de cor azulinha e a negrito:

1.
Airbag e ABS

2.
Alimentos light

3.
Antitabagismo

4.
Arroz basmati

5.
Auto-estradas

6.
Bimby

7.
Blogues

8.
CCB e Serralves

9.
Cinema em casa

10.
Crédito bancário facilitado

11.
Cuecas fio dental

12.
DVD

13.
E-mail

14.
Euro

15.
Fnac

16.
Fotografia digital

17.
Gays fora do armário

18.
GPS

19.
Ginásios

20.
Ikea

21.
iPod

22.
Lentes de contacto descartáveis

23.
Lojas gourmet

24.
Voos low cost

25.
Microondas

26.
Multibanco

27.
Nespresso

28.
Operações plásticas

29.
Parquímetros

30.
Pendrives

31.
Piercings

32.
Portáteis

33.
Preservativo

34.
Produtos biológicos

35.
Prozac

36.
Reciclagem

37.
Saladas pré-lavadas

38.
SMS

39.
Spa

40.
Sushi

41.
Telemóvel

42.
Al Qaeda

43.
Turismo de habitação

44.
TV Cabo ou Satélite

45.
Via verde

46.
Viagra

47.
Windows

48.
WWW

49.
YouTube

50.
Zara

Desde já o meu obrigado aos senhores do público por elaborarem uma lista tão tão tão … sumarenta!

Off-topic: Alguém me sabe explicar o que são Gays fora do armário?

Fazer as pazes com a nossa história

 

Há praticamente 1 ano atrás, discutia-se no concurso Os Grandes Portugueses quem teria sido o maior Português de todos os tempos. Para espanto de alguns e desespero de outros Salazar foi aclamado por larga vantagem seguido por Álvaro Cunhal e Aristides de Sousa Mendes.

Embora o principal objectivo do concurso fosse reavivar a memória histórica dos Portugueses, o final do concurso (para mim um dos momentos mais infelizes da TV Pública nos últimos anos) gerou polémica atrás de polémica que foi desde a construção de um museu em Honra de Salazar em Santa Comba Dão à colocação de cartazes com insinuações xenófebas por parte do PNR e à revelação da polémica em torno da licenciatura de José Sócrates e o encerramento compulsivo da Universidade Independente (risos).

Passado quase um ano, estamos prestes a celebrar os 100 anos do regicídio do Rei D. Carlos I e do Princípe Luís Filipe (1 Fevereiro 2008). 

Embora seja um momento de pesar, é acima de tudo um momento de reflexão sobre o nosso passado histórico. 

Os Grandes Portugueses revelaram que a maioria da população desconhece a grande parte da nossa história e do legado deixado pela Monarquia ou até mesmo por pessoas como Aristides de Sousa Mendes, Álvaro Cunhal, Salazar… 

Neste contexto, o dia 1 de Fevereiro 2008 surge como uma oportunidade singular de fazermos as pazes com a nossa história, reconhecendo a importância que pessoas como o rei D. Carlos tiveram na sua época mas não o momento oportuno para se discutir regimes e/ou ideologias.

A terminar este comentário, tomei a liberdade de colocar aqui um vídeo (muito bem documentado) sobre o Rei D. Carlos I e o regicídio. Espero que gostem. 

Carmina Burana 1 e 2 FEVEREIRO | 21h30 | AULA MAGNA

 

 

Nos próximos dias 1 e 2 de Fevereiro, a Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa e o Coro da Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa, com a participação dos solistas Elvira Ferreira, Carlos Guilherme e Luís Rodrigues, sob a direcção do maestro Albertino Monteiro, irão interpretar a cantata medieval “Carmina Burana”, de Carl Orff.

A palavra latina Carmina é o plural de carmen (canção, na língua portuguesa). O título inteiro significa literalmente: Canções dos Beurens. Esta última palavra refere-se aos textos escolhidos para esta cantata secular, descobertos, em 1803, num velho mosteiro beneditino da Baviera, em Benediktbeuren, sudoeste da Alemanha. A obra divide-se em três secções: o encontro do Homem com a Natureza (Veris eta facies), com o dom do vinho (In taberna) e com o amor (Amor volat undique).

Solistas

Elvira Ferreira, soprano

Carlos Guilherme, tenor

Luís Rodrigues, barítono

Participação

Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa

Coro da Nova Orquestra Sinfónica de Lisboa

Direcção

Albertino Monteiro

Bilhetes

· Doutorais: 40 euros;

· Primeiro Anfiteatro Central: 35 euros;

· Primeiro Anfiteatro Lateral: 30 euros;

· Segundo Anfiteatro Central: 20 euros;

· Segundo Anfiteatro Lateral: 15 euros;

· À venda na Ticketline (www.ticketline.pt ou através do número para reservas 707 234 234), Plateia (www.plateia.iol.pt), Fnac (www.fnac.pt), Worten (www.worten.pt), CTT, Lojas Abreu, Bulhosa (Oeiras Parque), Bliss ou na Aula Magna, no próprio dia.

Organização e Informações

Associação Cantus

Telefone | +351 936 226 252; +351 962 548 588

Correio Electrónico | cnoslisboa@hotmail.com

100 anos regicídio

 

Embora este blog seja um espaço de índole pessoal sem quaisquer fins político-partidários, gostaria de manifestar a minha solidariedade para com a causa monárquica que por estes dias está a celebrar o centenário do regicídio.

Por uma questão de civismo, decidi mudar a cor de fundo deste estabelecimento para preto (em sinal de luto) com letras timbradas em azul e branco (as cores da monarquia).

A Matemática das Coisas


“A Matemática das Coisas” recomeça este sábado no Pavilhão do Conhecimento

As Tardes de Matemática estão de volta a Lisboa! Neste sábado, dia 19 de Janeiro, a escritora Isabel Alçada e o matemático Pedro Freitas falarão sobre “A Matemática das Histórias Infantis” na primeira sessão de 2008 do ciclo “A Matemática das Coisas”. A palestra terá lugar no Pavilhão do Conhecimento, pelas 15h30.

Que matemática utilizou o lógico Lewis Carol para escrever a história de Alice no País das Maravilhas? Qual a importância da matemática para estruturar os textos infantis? E da leitura para estimular o raciocínio lógico e a imaginação? Estas são algumas das questões que os palestrantes discutirão, numa sessão direccionada para o público em geral.

A entrada no Pavilhão do Conhecimento é gratuita, e dá direito a visitar o centro de ciência.

Novidades breves

Ora viva!

Antes de mais queria-vos desejar um BOM ANO (um bocado fora de época mas adiante…) e especialmente desejar ao meu amigo de armas Milton (que já é doutor por extenso desde 4 Janeiro de 2008! ) muitas felicidades na sua carreira.

Queria também aproveitar para vos dar algumas novidades em primeiríssima mão:

Uma delas é que este será o meu último ano como bolseiro de doutoramento, melhor dizendo, estou cheio de trabalho;  a outra é que vou-me perder por Leeds de 1 2 a 15 de Março de 2008, mais propriamente em visita científica a ao Professor Doutor Vladimir Kisil.

Brevemente irei-vos por ao corrente de mais pormenores. Até lá, um forte abraço.

Lei de Murphy (versão Xmas)

garfield

 

 

 

 

 

 

 

 

Se ao sair de um shopping não encontrar o seu carro, não perca tempo. Apanhe um táxi (se ainda tiver dinheiro para gastar) ou então volte para casa a pé.

A explicação para esta lei (das muitas que já existem) tem uma explicação bastante racional:

Com o frio que está na rua é bem provável é que o seu carro tenha sido roubado

  1. ou por um gangster de Romenos e/ou Ucranianos;
  2. ou pelo shopping;
  3. ou pelo seu banco;

No caso de ter sido roubado por um gangster de Romenos e/ou Ucranianos, sinta-se feliz pois deu um lar a uma família e deste modo contribui para que esta não passe frio neste natal; 

No caso de ter sido roubado pelo shopping, não desanime. Uma vez que deve ter gasto bastante dinheiro em compras de natal, deve ter recebido uma mão cheia de cupões para preencher.  Por isso, não perca a esperança pois no caso de ser um dos premiados, pode vir a receber o seu carro de volta lá para dia de Reis;

No caso de ter sido roubado pelo seu banco, não há motivo para grande alarme. Sinta-se pois honrado pois este natal o seu banco lembrou-se de si e decidiu-lhe tirar um peso dos ombros, pois assim apenas se tem de preocupar em pagar as compras que ficou a dever! Se esta dívida for avultada e se tiver apelido Gonçalves, o seu banco ofereçe-lhe as compras de natal.